debate site

CANDIDATOS DEBATEM AMANHÃ UEA, CIÊNCIA E TECNOLOGIA E ASSINAM CARTA EM DEFESA DA UNIVERSIDADE

Sete dos nove candidatos ao Governo do Estado nas eleições suplementares de 2017 participam amanhã (19/07) de debate com a comunidade universitária sobre a UEA e o sistema estadual de Ciência e Tecnologia. Os candidatos estão sendo convidados, também, a assinar a Carta em Defesa da UEA – documento que elenca 10 ações necessárias à manutençao e funcionamento da Universidade –, onde assumem o compromisso de  realizar as ações até o final de seu mandato, em dezembro de 2018.

O debate, que acontece amanhã, às 17h, no auditório da Escola Normal Superior  (ENS),   é uma ação do Sindicato dos Docentes da Universdade do Estado do Amazonas SIND-UEA, como parte da campanha #UEAnãoVaiFechar.

A discussão terá três blocos de conversas. No primeiro, os candidatos apresentam seus planos de governo com enfoque nas questões da Universidade; no segundo respondem a perguntas da comunidade acadêmica; e no terceiro fazem consideraçes finais relacionadas aos itens da Carta em defesa da UEA, enviada hoje pela manhã a todas as coligações.

Foi acordado com as assessorias dos candidatos  que será proibido, durante o debate, “claque” uniformizada, entrada de bandeiras, cartazes, camisas de candidatos, batucada ou aparelhos sonoros e carro de som na área do estacionamento.

Os candidatos estarão sentados lado a lado, na seguinte disposição (da esquerda para a direita), conforme sorteio: Amazonino Mendes, Liliane Araújo, Marcelo Ramos (representando Eduardo Braga), Marcelo Serafim, Rebecca Garcia, Wilker Barrreto, Luiz Castro e José Ricardo Wendling. A ordem das falas nos blocos será sorteada na hora do evento.

 

Manutençao e Consolidação da UEA

A Carta em Defesa da UEA traz itens essenciais à manutençao e consolidação das atividades  da Universidade, tais como: criação de alternativas para o financiamento sustentável da UEA; fortalecimento do sistema estadual de ciência,  tecnologia e inovação; criação de novo Estatuto; reativação do Conselho Curador da UEA; cumprimento do Plano de Cargos, Carreiras e Remuneraçao; e também a garantia de pleitos eleitoriais justos.

Para a presidente do SIND-UEA, Gimima Silva, o compromisso do futuro governador do Estado com a UEA é estratégico. “A UEA  é, hoje, muito maior do que um discurso acalorado de que poderemos fechar as portas este ano. Ela tem a nobre missão de formar e qualificar as futuras gerações para garantir o desenvolvimento do Estado. Então este compromisso é fundamental  para resgatar as condiçoes de funcionamento da UEA”, destacou, lembrando que a Universidade é um patrimônio vivo da sociedade amazonense e que daqui a algumas décadas “queremos estar melhores”.

 

Campanha #UEAnãoVaiFechar

A campanha de mobilização do SIND-UEA em defesa do funcionamento da Universidade iniciou na semana passada, dia 11 de julho, com o slogan #UEAnãoVaiFechar, sendo divulgado em todas as redes sociais e site do Sindicato dos professores e entidades estudantis.

Entre as ações realizadas na campanha o Sindicato também protocolou pedido de audiência com o governador do Estado David Almeida e com o reitor Cleinaldo Costa. Além do pedido de audiência, a entidade solicitou da Reitoria informações como orçamento aprovado para UEA no período 2013-2017; despesas com pessoal e custeio e investimento do mesmo período, em relatório gerencial; orçamento executado do mesmo período 2013-2016; detalhamento dos investimentos realizados no período 2013-2016; Planos Diretores Anuais do período 2013-2017; e previsão de despesas e investimentos para 2017.

No último sábado os membros da diretoria participaram de atividades na Praça da Polícia (Centro de Manaus), junto ao Movimento Coletivo Popular Jaraqui. No evento a presidente, Gimima Silva, e outros professores se manifestaram ressaltando a situação de sucateamento das unidades, especialmente no interior; os cortes no orçamento; e a falta de transparência administrativa. No final do evento foi lido o manifesto “Por que a UEA não vai fechar”, ressaltando os indicadores positivos de qualidade no ensino, a manutenção do Conselho Curador e do Plano Diretor Anual, qualidade de gastos e transparência na aprovação das contas.